Espanhol Português Inglês
Novidade - Cotação Online
GUIA ONLINE
DE FORNECEDORES
Consumíveis Não Cons. Serviços Empresas
Busca Geral
Participe agora mesmo
CADASTRE-SE AGORA MESMO!


Últimas Edições


Veja mais Notícias

Últimas Notícias

21/11/2017
A Parceria Mais Autêntica do Brasil
Alegria, celebração e autenticidade. Esses são alguns dos termos compatíveis com os valores da Cereser e que agora estão ainda mais bem representados com a nova embaixadora da marca, Ivete Sangalo. A parceria com Ivete contará com diversas peças e ações no cenário digital, promoções, material de PDV, eventos e filmes. Tudo isso com a expectativa de aproximar ainda mais a marca do público e, consequentemente, aumentar ainda mais suas vendas e dos varejistas que trabalham com os produtos da marca. Veja o que já foi feito e o que ainda vem pela frente nessa parceria entre Cereser e Ivete Sangalo, que já começou muito bem.
[+ detalhes]
21/11/2017
Prêmios revelaram a nova carta de vinhos a bordo
Companhia aérea terminou a visita às várias regiões vinícolas do paíscom uma gala a rigor na Real Companhia Velha, em Vila Nova de Gaia. Os novos vinhos receberam prêmiosCom uma noite de gala a rigor, a TAP marcou a apresentação dos vencedores que vão integrar a nova carta de vinhos a bordo para os próximos dois anos. Alguns dos premiados acompanharam o jantar que se realizou na Real Companhia Velha, em Vila Nova de Gaia, feito pelos cinco chefs com estrela Michelin e pelo chef Vítor Sobral, consultor da TAP.A primeira gala TAP Awards premiou também as agências de viagens nos vários continentes em que mais viagens na companhia aérea portuguesa venderam. Entre os convidados estavam os brasileiros Thiago Lacerda (ator) e Gregório Duvivier (humorista), as cantoras Ana Moura e Mayra Andrade, a embaixadora da TAP, Rosa Mota, e o mágico Luís de Matos. A apresentação, em inglês, ficou a cargo do ator Pêpê Rapazote.O primeiro a usar da palavra foi Fernando Pinto. O presidente executivo da TAP anunciou a manutenção do evento TAP Awards nos próximos anos como "uma gala anual para a celebração de vários prémios ligados à TAP e ao turismo". Na quinta-feira, a noite foi dedicada aos agentes de viagens e aos produtores de vinho que conquistaram um lugar a bordo.O responsável da empresa de aviação aproveitou esta ocasião para falar do crescimento da TAP desde a privatização em 2015. A escolha para ser a primeira companhia a voar com o novo Airbus A330 Neo foi um dos momentos importantes sublinhados. A posição como divulgadora de Portugal no mundo é outra das marcas que Fernando Pinto quer associar à transportadora aérea nacional.Fernando Pinto falou ainda aos cerca de 60 jornalistas, a maioria dos quais estrangeiros, que participaram na Wine Tour, que em três dias percorreram as regiões vinícolas do Tejo, Alentejo, Dão, Minho e Douro. "Esta gala é o final de uma experiência tremenda", sublinhou. Durante a viagem, que decorreu a bordo do ATR da TAP White, fizeram-se dois voos de estreia: em Évora e em Viseu.Nas mesas estavam os produtores de vinho que concorreram à TAP Wine Experience, uma iniciativa da companhia aérea nacional que pretende promover os vinhos portugueses a bordo.O concurso, fechado há dois meses, visou tanto os grandes como os pequenos produtores. Nos próximos dois anos, vão estar disponíveis 2,5 milhões de garrafas de vinhos português, das várias regiões vinícolas, a bordo.O jantar servido como se os convidados estivessem a bordo de um voo foi animado por vários momentos, da magia à música. Pelo meio, produtores como a Real Companhia Velha, Quinta da Alorna, Esporão ou a Bacalhôa subiram ao palco para receber os TAP Awards, o que significa que os seus vinhos estarão a bordo.A seleção final foi escolhida entre 812 vinhos enviados por 124 produtores. Os dez provadores fizeram testes em terra e em altitude, num voo entre Lisboa e Praga, uma vez que estes podem mudar nestas circunstâncias.Na quinta-feira não houve altitude a interferir com o aroma e sabor dos vinhos sugeridos - uma seleção que passou pelo Porto Graham's Tawny 10 Anos e Porto Ferreira 10 Anos Tawny, os brancos Poças Reserva de 2016 ou o Alvarinho Deu-la-Deu 2016, os tintos Casa Ferreirinha Callabriga 2014 ou o Dona Maria 2014.Nos pratos estavam criações dos seis chefs convidados: robalo ao vapor, ervilhas e salada de funcho (de Rui Silvestre), garoupa assada com guisado de feijão branco e chouriço de porco alentejano (de Henrique Sá Pessoa), bacalhau com puré de grão de bico (de Rui Paula), bacalhau à Narciso (de Vítor Sobral), presa de porco à alentejana com migas de espargos verdes e salada de laranja (de Miguel Laffan) e vitelo estufado com legumes salteados e milhos fritos (de José Avillez).
[+ detalhes]
21/11/2017
Tirolez amplia a linha Zero Lactose e lança o Creme de Ricota
O produto já está disponível em potes de 150g nos principais supermercados do BrasilA Tirolez, uma das mais tradicionais marcas de laticínios do país, amplia a linha Zero Lactose com o lançamento do Creme de Ricota. O produto já está disponível em potes de 150g nos principais supermercados do Brasil.A linha de laticínios sem lactose da Tirolez foi lançada em 2015 para atender a uma demanda mundial de consumidores com intolerância a este açúcar naturalmente presente no leite. Esses consumidores têm deficiência da enzima lactase, responsável por ?quebrar? a lactose para que ela possa ser absorvida pelo organismo. Existem diversos graus de intolerância ao nutriente, que vão desde má digestão a severos desconfortos gastrointestinais.Além do Creme de Ricota, a linha Zero Lactose Tirolez é composta pelo Creme de Minas Frescal, Requeijão Light, Cottage, Minas Frescal Light, queijo tipo Mussarela Light (380g em embalagem abre fácil, 3,6 Kg para fatiamento e fatiado 150g), queijo tipo Prato Light (380g em embalagem abre fácil, 3,6 Kg para fatiamento e fatiado 150g) e Minas Padrão Light.O método de fabricação dos queijos sem lactose da Tirolez consiste na adição da enzima lactase em uma das etapas do processo de produção, quebrando a lactose em dois outros açúcares menores (galactose e glicose), que são facilmente digeridos por portadores dessa intolerância. ?Praticamente não há diferença na textura ou no sabor dos queijos?, acrescenta a gerente de marketing da Tirolez Luiza Hegg.Sobre a TirolezFundada há 37 anos, a Tirolez é uma das mais tradicionais marcas de laticínios do País, a empresa dispõe de seis fábricas e um Centro de Distribuição em São Paulo. Suas fábricas localizam-se em Minas Gerais (Tiros, Arapuá e Carmo do Paranaíba), em São Paulo (Monte Aprazível e Lins) e Santa Catarina (Caxambu do Sul).Os produtos Tirolez possuem grande aceitação no mercado brasileiro em razão da elevada qualidade. Tal característica decorre, entre outras causas, do leite de alta qualidade que utiliza em sua produção e do cuidado artesanal e o carinho que dedica a seus produtos durante todas as etapas de produção. O portfólio da empresa é composto por mais de 90 itens e pode ser encontrado em todo o Brasil.Informações para a imprensa:Press à Porter Gestão de ImagemTelefone: 11 3813-1344Elder Magalhães (elder@pressaporter.com.br) ? ramal 39Carla Gullo (carla@pressaporter.com.br) ? ramal 32
[+ detalhes]
17/11/2017
Forno de Minas realiza Black Friday
Produtos da indústria estarão com descontos para varejo e food serviceA Black Friday é o clássico dia de compras em que os consumidores encontram os produtos por preços mais baixos do que o comum. E a Forno de Minas, tradicional indústria de alimentos congelados, participa mais uma vez da campanha.No varejo, o pão de queijo tradicional de 400g, por exemplo, estará por R$5,99, o pacote. A Broinha e Quiche também estarão com preços diferenciados.Segundo a Gerente de Produto e Trade da empresa mineira, Gisa Santos, é uma ótima oportunidade para os clientes comprarem alimentos de qualidade, práticos, com o sabor e a segurança que a Forno de Minas fornece. ?É uma ótima oportunidade para encher o freezer, conhecer novas opções, se deliciar com a família e os amigos e/ou conquistar os clientes?, afirma.A promoção é válida para algumas redes de supermercados em todo Brasil.Serviço:Black Friday Forno de MinasVarejo: 24 a 26/11Food Service: 27 a 30/11Sobre a Forno de MinasA Forno de Minas Alimentos S/A, tradicional indústria de alimentos congelados e líder de mercado na comercialização de pães de queijo no Brasil, nasceu do sucesso da receita caseira de pão de queijo da Dona Dalva. Com sede em Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte, foi fundada em 1990, pela própria Dona Dalva, que divide a gestão com os filhos Hélida e Helder e o sócio Vicente Camiloti.É nacionalmente reconhecida pela qualidade, praticidade e tradição de seus mais de 30 produtos, principalmente o pão de queijo, que tem se internacionalizado e conquistado vários países. Oferece soluções para todas as ocasiões de consumo, no varejo e no food service, buscando estar no dia-a-dia das pessoas, com praticidade e inovação, além do sabor e qualidade dos alimentos feitos em casa.A Forno de Minas também tem uma Indústria de Laticínios própria, que produz o queijo e outros produtos para a fábrica. Com aproximadamente 1000 colaboradores, oito filiais no Brasil e uma subsidiária nos Estados Unidos. A empresa exporta pães de queijo para os Estados Unidos, Canadá, Portugal, Inglaterra, Chile, Peru, Uruguai e Emirados Árabes.
[+ detalhes]
17/11/2017
Guia Adega 2018 elege espumante da Casa Valduga como melhor Brut do Brasil
A vinícola Casa Valduga comemora mais uma conquista para encerrar 2017 com chave de ouro. Com o seu espumante 130 Blanc de Noir, a vinícola ganhou o título de melhor Brut do Brasil pela nova edição do Guia Adega. A publicação é considerada uma das principais referências para o mercado nacional de vinhos, sendo o maior guia brasileiro do setor. A nova edição do Guia Adega avaliou mais de 700 rótulos, de 60 vinícolas do Brasil.Além de eleger o espumante 130 Blanc de Noir como o melhor Brut do Brasil, com notáveis 92 pontos, o Guia Adega 2018 também escolheu o vinho branco Casa Valduga Identidade Gewurztraminer como o melhor da sua categoria, com 90 pontos. Um excelente reconhecimento para a Casa Valduga, que teve dois rótulos eleitos como os melhores do mercado brasileiro.Na avaliação, o Guia Adega também pontuou o Casa Valduga 130 Blanc de Blanc, com 91 pontos, e o Casa Valduga Sur Lie, com 91 pontos. Entre os vinhos, o destaque ficou com o Casa Valduga Gran Leopoldina Chardonnay, com 91 pontos, e Casa Valduga Origem Merlot, com 90 pontos, um rótulo jovem, lançando este ano e já reconhecido como um dos melhores tintos.Conheça alguns dos rótulos premiados da Casa Valduga no Guia Adega 2018:Casa Valduga 130 Blanc de NoirElaborado exclusivamente com uvas Pinot Noir de safras especiais, pelo método champenoise, permanece em autólise de leveduras por 36 meses. Encantador, possui coloração amarelo palha profundo e um delicado perlage. O bouquet mostra-se autêntico e complexo, com notas de amora e framboesa em perfeita harmonia com as nuances de frutas secas e o delicado toque de flores escuras. A intensidade da Pinot Noir resulta em um espumante robusto, com excelente cremosidade e frescor.Casa Valduga Terroir Identidade GewurztraminerApresenta coloração amarelo esverdeado, límpido e brilhante. Possui aroma com intensas notas primárias, típicas deste varietal. Notas de frutas como maçã verde, pera e lichia destacam-se envoltos por delicadas nuances florais. Seu paladar é sedoso, com acidez e álcool equilibrados, revelando toda a intensidade da fruta. É leve, macio e generosamente refrescante. O final de boca confirma o aroma, é frutado e elegante.Casa Valduga Origem MerlotÉ um tinto com aroma fino e elegante de frutas vermelhas e negras, como framboesa e ameixa. Apresenta paladar igualmente frutado. A suavidade dos taninos torna o vinho macio e proporciona um bom equilíbrio com a acidez e o moderado teor alcoólico.Casa Valduga Sur LieO Casa Valduga Sur Lie é um espumante em sua forma mais bruta, sem dégorgement e consequentemente, sem dosagem pós-dégorgement de licor de expedição. Por não passar por este afinamento, a autólise das leveduras ocorre enquanto a garrafa permance fechada. Esse é o grande diferencial deste exemplar, ele continua envelhecendo por tempo indeterminado e a decisão de interromper esse processo é única e exclusiva do consumidor, que decidirá o tempo de maturação da bebida, para aprecia-la conforme sua preferência.Envase Brasil | Brasil Alimenta e Embala SulPrepare-se para participar da edição comemorativa dos 20 anos de idealização da feira Envase Brasil | Brasil Alimenta que, em 2018, terá ainda uma grande novidade: a estreia da feira Embala Sul, que vem com a expectativa de se tornar a referência no segmento de embalagens e equipamentos no Rio Grande do Sul, assim como já aconteceu no Nordeste do país.A Envase Brasil | Brasil Alimenta, já consolidada como um referencial para as indústrias de bebidas e alimentos, especialmente para os setores vinícola, cervejeiro e de laticínios e derivados já confirma a presença de grandes empresas na edição da feira que acontece de 24 a 27 de abril de 2018, no Parque de Eventos de Bento Gonçalves. Anote na agenda e não fique de fora!!
[+ detalhes]
17/11/2017
Pizza Hut Abre Primeira Franquia em Joinville (SC)
A Pizza Hut retorna a Santa Catarina ao inaugurar sua primeira unidade na cidade de Joinville. Localizada na praça de alimentação do Garten Shopping, a nova loja funcionará no formato Express e conta com o cardápio completo da rede, incluindo a opções de pizzas grandes e individuais, entradas e sobremesas. A unidade pertence ao franqueado Fabrício Brito, já à frente de diversas operações no interior do estado de São Paulo (SP). "Queremos reconquistar os clientes antigos da Pizza Hut no estado catarinense e apresentar a marca àqueles que ainda não a conhecem", afirma Brito. No Brasil, a Pizza Hut possui mais de 150 unidades distribuídas em 22 estados. Serviço: Pizza Hut Joinville Garten ShoppingEndereço: Avenida Rolf Wiest , 333, Bom Retiro - Joinville (SC) Horário de funcionamento: Todos os dias, das 10h às 22
[+ detalhes]


Produtos Prontos

EMPRESA EM DESTAQUE


Veja mais Artigos

Artigos

27/10/2017
Dom Sebastião é a 1ª pizzaria de MT a virar franquia; saiba quanto custa abrir uma
O Dom Sebastião completou dez anos de existência no último dia 23, e para comemorar e continuar trabalhando, os proprietários lançam ainda este ano uma franqueadora do negócio. A primeira franquia abre as portas em meados de novembro, no Pantanal Shopping, e promete ter produtos de mesma qualidade que os da matriz.Durante estes dez anos sempre foi nossa intenção franquear. Não é um projeto novo, é um projeto antigo. Mas precisou de dez anos pra gente amadurecer os conhecimentos do ramo, pra poder finalmente montar a franqueadora, explicou Paulo Leite, pai do chef Paulo Vitor e um dos sócios do Dom Sebastião.A primeira franquia será inaugurada no mês de novembro, no Pantanal Shopping, e na mesma data será lançada a franqueadora. Depois de lá, a intenção é ir para o interior do estado de Mato Grosso e para Rondônia, onde o Dom já conta com vários clientes. Vale lembrar que a empresa será a primeira pizzaria do estado a se tornar uma franquia.Mato Grosso é um estado muito rico, o interior é muito rico, e essas pessoas que produzem essa riqueza estão muito conectadas com o mundo. Não só com Cuiabá, São Paulo, Rio, mas com o mundo, afirma o sócio. Então elas não querem mais comer o produto sem qualidade. Elas querem comer uma boa pizza, um bom prato, um bom sanduíche, um bom salgado. Essas pessoas começam a ficar exigentes no consumo. Não da mais pra ter um alimento amador, garante.A franquiaO Dom Sebastião vai trabalhar com três tipos diferentes de modelo de negócio, com um custo inicial de R$200 mil: o primeiro, com o menor investimento, será o quiosque. Mas com todo o padrão Dom Sebastião. Então, se a gente tem 80 produtos que vendemos aqui, o quiosque vai ter uma quantidade menor?, explica Paulo.O segundo modelo será o de loja para shopping, galeria comercial ou de rua, e o terceiro, para hotel, já que desde 2015 o Dom comanda o restaurante do Hotel Transamérica, e desde 2016 o do Hotel Intercity.De acordo com Paulo, o quiosque inaugurado no Univag em agosto de 2017 foi um protótipo. A gente testou uma série de coisas pra poder chegar nesse ponto de franquiar, explica.Desta forma, o principal objetivo agora é vender franquias similares ao quiosque. Focar em lojas pequenas com todos esses produtos que ele falou. Começando com a pizza, porque nós temos hoje um equipamento que nos permite trabalhar dentro de um shopping, num quiosque, onde a gente não precisa colocar um forno a lenha com exaustão. Os equipamentos são muitos compactos, e temos um portfólio rico dentro de um espaço pequeno, explica o chef Paulo Vitor. Segundo ele, o espaço mínimo para uma loja dessas é de 26 metros quadrados.O empresário que se interessar em comprar a franquia deve entrar em contato com os proprietários do restaurante. Segundo Paulo Leite, é necessário uma conversa para que ambos os lados saiam satisfeitos.A pessoa vai fazer um investimento, colocar recursos dela e é um sonho de ter um negócio, então tem que ter muita responsabilidade dos dois lados, afirma. Por este motivo, antes de fechar qualquer negócio, o Dom precisa disponibilizar aos compradores da franquia uma Circular de Oferta de Franquia (COF), com todo o detalhamento, tendência de mercado, tendência de vendas, legislação tributária sobre o comércio e diversas outras informações.No caso do Dom Sebastião, especificamente, uma das vantagens é que o franqueado não precisa ser chef ou saber cozinhar, já que todos os produtos serão feitos pela matriz e enviados pré-prontos para a franquia. A franquia vende conhecimento. A pessoa que vai comprar vai ter todo o conhecimento adquirido em dez anos repassado para ela. Os riscos dessa pessoa diminuem muito, finaliza o sócio.
[+ detalhes]
26/10/2017
Comer massa pode? Depende dos ingredientes do seu prato. Fique de olho
As massas são um dos grandes vilões da dieta. Isso é verdade, em parte. Segundo especialistas, os verdadeiros carrascos mesmo são os molhos que acompanham o prato. Portanto, na semana em que se comemora o Dia da Massa, o recado é: coma, mas com atenção aos ingredientes e com moderação.As massas são uma fonte de carboidrato, assim como as batatas e o arroz, por exemplo. Existe essa ideia de que devemos cortar o carboidrato para emagrecer, mas ele é a principal fonte de energia do nosso corpo e não devemos excluí-lo totalmente da nossa alimentação. O que torna as massas vilãs são os ingredientes que colocamos nelas, em geral muito calóricos, como molho branco ou quatro queijos, o parmesão ralado e outros ingredientes como bacon ou presunto. Uma massa com um molho simples de tomate, por exemplo, pode perfeitamente ser consumida por quem está tentando perder peso ? diz Gabriella Gachet, nutricionista do Vigilantes do Peso.Além de dar preferência aos molhos menos gordurosos, comer massas integrais também é a saída para quem luta contra a balança.Massas feitas com farinha integral são as mais recomendáveis porque preservam as vitaminas do complexo B e as fibras, que se perdem na massa comum. Para quem apresenta inchaço ou distensão abdominal após consumo de farinha de trigo, pode optar pelas massas feitas de grão de bico ou de quinoa por exemplo ? orienta a nutricionista Larissa Cohen.O ideal é nunca misturar carboidratos e consumir massa com verduras e legumes ou carnes magras.DicasNão deixe o macarrão cozinhar demais, cozinhe sempre um ou dois minutos a menos do tempo indicado na embalagem. Não coloque óleo na água do cozimento.Acrescente cenoura ao molho de tomate. A cenoura não altera o sabor do molho e ainda acrescenta mais fibras e vitaminas.Para os dias mais quentes, opte por uma salada de macarrão fria, com legumes, atum e ovos cozidos.Experimente substituir algumas folhas de massa de lasanha por fatias finas de berinjela ou abobrinha.Já existem muitas receitas de nhoque que substituem a batata por abóbora ou aipim, o que pode tornar seu prato ainda mais nutritivo.Você pode preparar seu próprio molho de tomate em casa e congelar em porções menores para usar sempre que quiser.
[+ detalhes]
25/10/2017
Começou a 6ª Settimana della Cucina Regionale Italiana, em SP
97 espumantes premiados, 97 Medalhas de Ouro. O alto padrão dos espumantes brasileiros mais uma vez foi revelado na principal degustação às cegas do produto no país. O X Concurso do Espumante Brasileiro, promovido pela Associação Brasileira de Enologia (ABE), é o maior da história com 308 amostras de 80 vinícolas. Desta vez, todos os classificados entre os 30% em cada categoria, conforme normas internacionais, alcançaram pontuação correspondente a Medalha de Ouro, ou seja, de 88 a 91 pontos.Depois de 10 anos com um crescimento quase exponencial em número de amostras, atingimos um recorde, superamos as 300 amostras, o que demonstra a importância do espumante para o Brasil e nos coloca com responsabilidade para produzirmos sempre com mais qualidade, safra após safra, destaca o presidente da ABE, Edegar Scortegagna. O enólogo disse que é preciso refletir e, cada vez mais, buscar qualidade. O espumante brasileiro atingiu um alto nível, onde não podemos nos permitir cometer erros. Devemos manter o alto padrão de qualidade reconhecido mundo afora. E para isso, precisamos buscar matéria prima correta e modernizar nossas vinícolas, pois hoje podemos afirmar, sem medo, que o espumante brasileiro está entre os melhores do mundo, enfatiza.Considerado a principal janela para o mundo dos espumantes brasileiros, o X Concurso do Espumante Brasileiro reuniu um júri formado por 53 profissionais entre enólogos, sommeliers e jornalistas especializados. As degustações aconteceram nos dias 18 e 19 de outubro, na Câmara da Indústria e Comércio de Garibaldi (CIC), integrando a programação da Fenachamp 2017. A divulgação dos resultados e entrega das medalhas ocorreu em coquetel realizado na noite do dia 20 de outubro no CTG Sentinela da Serra, no Parque da Fenachamp, em Garibaldi (RS).Participaram espumantes elaborados por vinícolas de sete estados brasileiros, sendo eles: Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo, numa demonstração da diversidade da produção nacional. Os espumantes foram degustados às cegas, seguindo normas internacionais, dentro de suas categorias: espumantes de segunda fermentação (charmat e tradicional) e espumantes de primeira fermentação (moscatéis). O concurso seguiu as normas da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV) e da União Internacional de Enólogos (UIOE).Prêmio Destaque Cleber AndradeO 10º Concurso do Espumante Brasileiro seguiu o formato da edição anterior, prevendo uma distinção especial concedida a espumantes que se sobressaírem em suas categorias. O objetivo é exaltar ainda mais a produção nacional. Este ano, o prêmio carrega o nome de Cleber Andrade, uma homenagem que a ABE presta ao ex-presidente e um dos enólogos mais marcantes que o Brasil já teve.O Destaque Cleber Andrade foi entregue a seis espumantes, um em cada categoria. Para isso, ao final do concurso, foi realizada uma degustação de preferência entre os produtos que conquistaram Medalha de Ouro e melhores medianas, a fim de destacar a preferência dos jurados.DESTAQUESDestaque Cleber Andrade - Categoria Espumante Brut elaborado pelo método charmatPonto Nero Espumante Brut - Domno do Brasil Indústria e Comércio de BebidasDestaque Cleber Andrade - Categoria Espumante Brut elaborado pelo método tradicionalMonte Paschoal Dedicato Espumante Champenoise BrutBasso Vinhos e EspumantesDestaque Cleber Andrade - Categoria Espumante Brut RoséCave Amadeu Espumante Brut Rosé - Vinícola GeisseDestaque Cleber Andrade - Categoria Espumante Nature e Extra-BrutDon Guerino Cuvée Espumante Extra Brut - Don Guerino Vinhos FinosDestaque Cleber Andrade - Categoria Espumante MoscatelMonte Paschoal Dedicato Espumante Moscatel RoséBasso Vinhos e EspumantesDestaque Cleber Andrade - Categoria Espumante Demi-SecConde de Foucauld Espumante Demi-Sec BrancoCooperativa Vinícola Aurora
[+ detalhes]
24/10/2017
Agora é a vez dos vinhos brancos, rosés e espumantes
Com a chegada da primavera, os vinhos tintos não saem completamente de cena, mas cedem o protagonismo para os brancos e rosés, que são mais refrescantes e, portanto, combinam melhor com temperaturas elevadas. As opções presentes no mercado são variadas, o que tende a agradar a todos os paladares. Para facilitar a escolha do consumidor, o sommelier Rogério Santos, do Barbacoa Campinas, e a coordenadora do Empório Giovannetti, instalado na unidade Cambuí da rede de choperias homônima, Ivonete Castro, dão dicas de rótulos com preços de até R$ 200, que são ideais para serem degustados em dias e noites de calor, de preferência acompanhados de refeições mais leves.Uma das boas sugestões para a primavera e também para o verão, segundo Ivonete, é o Cambridge Ice, um vinho do Porto branco que deve ser degustado bem gelado ou, para surpresa de muitos, até com uma pedra de gelo. Trata-se de uma bebida para ser apreciada nas mesmas ocasiões em que abrimos um espumante. Como esse vinho tem um grau de doçura um pouco maior que os outros tipos de Porto, a pedra de gelo ajuda a atenuar o dulçor, tornando a bebida mais agradável ao paladar, explica. O vinho tem preço de R$ 175 (garrafa) e R$ 30 (taça), e pode ser adquirido no Empório para ser degustado no local ou levado para casa.Outra boa opção para brindar às estações mais quentes do ano é o espumante português Terras do Demo Malvasia Fina Bruto, produzido na região de Távora-Varos. Ivonete destaca que a bebida, bastante fresca e frutada, deve ser servida a uma temperatura em torno de 5°C, para que suas características sejam valorizadas. Nada influi tanto na apreciação de um vinho quanto a sua temperatura. Quanto mais adequada esta for, melhor será a experiência gustativa do consumidor, ensina. O branco Terras do Demo Malvasia Fina Bruto, acrescenta Ivonete, harmoniza muito bem com peixes, mariscos, ostras ? como, por exemplo, o prato de frutos do mar grelhados presente no cardápio da casa ? e carnes de aves, como a isca de frango empanado. O preço da garrafa é R$ 139,90.De Portugal também vem o espumante rosé Terras do Demo Touriga Nacional Bruto, da mesma região de Távora-Varos. Este apresenta igualmente paladar fresco e frutado, mas com algumas notas florais. Deve ser servido a uma temperatura próxima de 5ºC, preferencialmente na companhia de peixes, mariscos, ostras e carnes de aves. Preço: R$ 139,90.Viva a acidez!Uma das propriedades mais apreciadas no vinho branco é a sua acidez. Quando bem equilibrada, essa característica torna a bebida ainda mais especial, contribuindo desse modo para a construção de excelentes momentos. De acordo com o sommelier do Barbacoa, duas uvas bem conhecidas dos brasileiros apresentam esse atributo: a Chardonnay e a Sauvignon Blanc, variedades originárias da França, mas que se adaptaram perfeitamente ao Chile, país vizinho que nos fornecesse ótimos exemplares.A Chardonnay, detalha Rogério Santos, normalmente proporciona bebidas mais untuosas, frutadas e com acidez moderada. ?Já a Sauvignon Blanc costuma gerar vinhos mais frescos, frutados e com acidez mais elevada?. Para acompanhar saladas e carpaccio ? ambas opções encontradas no buffet de saladas do Barbacoa ? e também camarão grelhado, o sommelier recomenda o ?Nimbus Single Vineyard Sauvignon Blanc?, um chileno do Vale de Casablanca. Além de rica acidez, a bebida oferece delicadas notas minerais. O preço, tanto para consumo no local como para viagem é R$ 140.Do Chile vem, ainda, o Ventisquero Reserva Chardonnay, um branco com acidez muito amigável e que harmoniza à perfeição com peixes, frutos do mar, carnes brancas e queijos não curados. O preço é R$ 89. Por fim, o sommelier do Barbacoa recomenda um vinho rosé, o Berne IGP Esprit Méditerranée, um francês originário da Provance. Durante muito tempo, nós brasileiros tínhamos um pouco de preconceito com o vinho rosé. Havia a ideia equivocada de que se tratava de uma bebida feminina. Hoje, sabemos que não é nada disso. Esse vinho é leve, refrescante e eclético. É uma ótima companhia para um dia quente e harmoniza muito bem com filé de peixe grelhado, como os presentes no cardápio do Barbacoa ? linguado, pintado, bacalhau e salmão, pontua Rogério Santos. Preço: R$ 99.Giovannetti CambuíA casa, localizada no Cambuí, bairro boêmio de Campinas, foi fundada em 1997. Ocupa um imóvel histórico de 1,7 mil m², que foi restaurado pelo Grupo Giovannetti. O bar e restaurante tem capacidade para 700 pessoas e conta com salão principal, onde está instalado o Empório, áreas ao ar livre e espaço para recreação infantil. O almoço, diariamente, é em sistema de buffet, com cobrança por peso ou por pessoa. A partir das 16h, o cliente tem à escolha pratos boêmios, executivos e triviais, além de pizzas, salgados ? como o Milionário (kibe) e o Portuga (bolinho de bacalhau), lanches e porções. A happy hour conta com uma mesa de frios com mais de 20 itens selecionados, além de chope com preço promocional, de segunda a quinta-feira, das 16h às 20h.ServiçoEndereço: Rua Padre Vieira, 1277, Cambuí ? Campinas/SPTelefone: (19) 3234-9510Horário de funcionamento: Todos os dias, das 11h até o último clienteSite: www.giovannetti.com.brBarbacoa CampinasO Barbacoa Campinas opera com serviço à la carte no almoço e no jantar. No cardápio estão mais de 15 cortes exclusivos de carnes nobres entre os quais o Carré de Cordeiro e o T-bone, e também pescados e outras opções, além de sobremesas e uma carta de vinhos com mais de 200 rótulos. As carnes acompanham uma guarnição à escolha do cliente e o pedido dá direito ao buffet de saladas, com mais de 30 itens. Com capacidade para 150 pessoas, o restaurante conta com três ambientes intimistas ? Adega Barbacoa, Salão Principal e Espaço Gourmet. Na Adega, o cliente encontra vinhos da mais alta procedência para degustar no local ou para viagem. Já o Espaço Gourmet, é uma área privativa ideal para a realização de eventos sociais ou corporativos.ServiçoEndereço: Avenida Guilherme Campos, 500, Parque D. Pedro Shopping (Entrada das Águas) ? Campinas/SPTelefone: (19) 3209-1641Horário de funcionamento: Todos os dias, das 10h até o último clienteSite: www.barbacoa.com.br
[+ detalhes]
23/10/2017
Dia do Enólogo: descubra as peculiaridades da profissão
O Enólogo é figura responsável por todo o processo de fabricação do vinho. Sabe qual a diferença entre enólogo, enófilo e sommelier?um caminho demo­rado e cheio de com­plexidades. Começa no plantio, cultivo e colheita, passa por pro­cessos de esmagamento, fermentação e filtração, chegando ao tão cultuado envelhecimento em barris de madeira selecionada até chegar ao engarrafamento para consumo.A descrição é do pro­cesso de produção do vi­nho, mas ontem (22 de Outubro), foi o dia dedicado a uma figura importante na fabricação do alcoólico: o enólogo, responsável pela elaboração do vinho. Mas para quem aprecia a bebi­da, algumas dúvidas quan­to a nomenclaturas podem surgir.Por exemplo: um enó­logo faz a mesma coisa que um sommelier? É a mesma profissão? E onde entra a figura do enófilo? O Imparcial foi atrás das respostas para essas dúvi­das e mostra as diferenças entre os termos e seus re­ais significados.EnólogoPouco conhecida, a palavra Enólogo (do grego ?oinos?, que significa vinho e ?logia?, que significa estudo ou aprofundamento) conceitua o responsável por acompanhar todo o processo ? desde o plantio ao armazenamento -, de fabricação do vinho.É ele quem gerencia e administra a análise do solo e seus métodos de irrigação, escolhe as mudas e determina o plantio, a poda e a colheita. Feita a colheita, é ele quem define a mistura das uvas, o tempo de amadurecimento e a hora de colocar o vinho no mercado.SommelierA palavra sommelier tem origem francesa, do termo sommier. Assim era chamada a pessoa responsável pelos animais de carga, que puxavam os carros que transportavam comidas e bebidas, entre outros elementos. Com o tempo, o termo foi sendo destinada às pessoas que trabalhavam a serviço do produto vendido, nesse caso, o vinho.A atividade essencial do sommelier é dentro de estabelecimentos como restaurantes e bistrôs. Eles são responsáveis pela escolha e compra do vinho, pelo armazenamento da bebida e também por criar as cartas, que são basicamente, os cardápios de alcoólicos. O profissional também recomenda aos clientes qual vinho melhor harmoniza com o prato escolhido, se tornando parte importante do negócio gastronômico.EnófiloBastante confundida com o enólogo, a figura do enófilo é fácil de ser encontrada, pois é a ponta final de toda a produção do vinho. Se você, que está lendo essa matéria, consome regularmente a bebida, em restaurante e até mesmo em casa, e conhece um pouco sobre os processos de produção do alcoólico, você já pode se considerar um enófilo.Do grego (?eno? que significa ?vinho? e ?phylo?, que significa ?proximidade?, ?admiração?), enófilo significa apreciador de vinhos. De forma simplificada, enófilo são todos aqueles que gostam de consumir, que fazem anotações sobre os vinhos que tomam ou que frequentam confrarias e encontros, mas que não têm responsabilidade alguma sobre sua elaboração.
[+ detalhes]
20/10/2017
SP consumiu 1,24 mi toneladas de macarrão em 2016, aponta pesquisa
Para comemorar o Dia Mundial do Macarrão, celebrado em 25 de outubro, a Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi) divulgou um estudo realizado pela Kantar WorldPanel a respeito dos hábitos de consumo de macarrão no País. De acordo com a pesquisa, o estado de São Paulo é responsável por 20,5% do volume total de macarrões (1,24 milhão de toneladas) consumidos em 2016, o que corresponde a 252,9 mil toneladas.Das 130,2 mil toneladas consumidas em 2016 na Grande São Paulo, 60% foram do tipo espaguete; em segundo lugar ficou o fusilli, com 24%, seguido pelo penne, com 8%. No interior do Estado, das 122,7 mil toneladas, 47,7% foram de espaguete, 26% de fusilli e 2,2% lasanha.O estudo analisou, durante o último ano, uma mostra de 11,3 mil lares que retratam um universo de 53 milhões de famílias espalhadas por sete macrorregiões. No ranking nacional de consumo aparecem em primeiro lugar o Norte e Nordeste (37%), seguidos do Sul, Leste e interior do Rio de Janeiro (13%), grande São Paulo (10,5%), Interior de São Paulo (10%), grande Rio de Janeiro (8,2%) e, por fim, Centro-Oeste (6,2%).?Apesar de o macarrão estar presente em 99,5% dos lares brasileiros, ainda existe uma barreira cultural que tende a restringir seu consumo aos finais de semana, à macarronada de domingo com a família?, afirma Claudio Zanão, presidente-executivo da Abimapi.Segundo a pesquisa, na Grande São Paulo o macarrão à bolonhesa é o tipo preparado em 78% das ocasiões em que as massas são servidas e 11% ao modo alho e óleo. ?Mas as massas são muito versáteis, podem ser preparadas de diversas maneiras e complementadas com vários ingredientes, além de serem práticas e baratas. O macarrão é um produto que tem todas as condições de ocupar lugar na mesa do brasileiro diariamente?, pontua Zanão.Sobre o Dia Mundial do MacarrãoO Dia Mundial do Macarrão foi instituído em 25 de outubro de 1995 em Roma, durante o I World Pasta Congress (Congresso Mundial de Macarrão), que reuniu os principais fabricantes em todo o mundo. O Brasil é o 3º maior produtor e consumidor mundial. Em 2016, o mercado brasileiro de massas alimentícias faturou mais de R$ 8,7 bilhões e foram consumidos quase 1,2 milhão de tonelada. Nosso consumo per capita é de 6,02 kg por ano.No próximo dia 25 (quarta-feira), a indústria mundial de massas alimentícias se reunirá pela primeira vez em São Paulo (SP) para a celebração do World Pasta Day (WPD). Os destaques do evento serão a assinatura de um consenso científico sobre os benefícios nutricionais do macarrão e a presença do prefeito da cidade de São Paulo João Dória Jr para o recebimento da doação de 20 toneladas do alimento para as creches municipais.
[+ detalhes]


DESEJA RECEBER NOSSA NEWSLETTER?
DIGITE SEU E-MAIL ABAIXO E CADASTRE-SE




Lançamentos

Telefone:

+55 11 5524-6931

Fique conectado:

Curta nossa Fanpage:
facebook.com/Revista-Pizzas-Massas

© EDITORA INSUMOS LTDA.

Av. Sargento Geraldo Santana,
567 – 1º andar
CEP 04674-225
São Paulo, SP - Brasil

001
script>