Espanhol Português Inglês
Novidade - Cotação Online
GUIA ONLINE
DE FORNECEDORES
Consumíveis Não Cons. Serviços Empresas
Busca Geral
Participe agora mesmo
CADASTRE-SE AGORA MESMO!


Voltar

FRIOS EM PIZZAS

OS FRIOS MAIS UTILIZADOS EM PIZZAS

Atualmente, há disponível no mercado uma grande quantidade de frios, cozidos, defumados, crus, etc. Entre eles, o pepperoni, o presunto, a linguiça calabresa, o lombo canadense e o peito de peru são os mais conhecidos, principalmente quando o assunto é o preparo de pizzas.

A pizza é uma preparação culinária que consiste em um disco de massa fermentada de farinha de trigo, regado com molho de tomate e coberto com ingredientes variados que, normalmente, incluem algum tipo de queijo, carnes preparadas ou defumadas e ervas, como orégano ou manjericão, tudo assado em forno.

A primeira pizza foi criada por Rafaelle Esposito, em 1889, para ser servida à rainha Margherita, da Itália, e foi enfeitada com as cores da bandeira italiana: queijo (branco), manjericão (verde) e tomate (vermelho). O encantamento da rainha pela pizza acabou determinando o nome de ?Margherita? para aquele tipo de recheio.

De 1889 até o dias de hoje, a pizza ganhou centenas de coberturas e de recheios! De sabores variados, ganha uma identidade diferente em cada local, graças aos ingredientes que complementam sua massa.

Entre os tipos de ingredientes utilizados no seu preparo estão os frios, que auxiliam na criação de pizzas cada vez mais especiais. Pepperoni, presunto, linguiça calabresa, lombo canadense e peito de peru são alguns dos mais utilizados, produzindo pizzas desde as mais tradicionais até as mais sofisticadas e exóticas!

Cada um desses frios possui características, que harmonizadas com outros ingredientes, tornam a pizza mais saborosa e cada vez mais apreciada e consumida mundialmente.

Pepperoni - Uma criação genuinamente norte-americana

Com esse belo nome de consonância italiana pode-se considerar como natural acreditar que o pepperoni é um produto tipicamente italiano, una specialitá della terra! Não é, não! O pepperoni é uma genuína criação norte-americana, designando uma versão apimentada do salame seco, feita de carne de porco e bovina, incluindo algumas vezes toucinho, deixando, assim, o produto rico em gorduras saturadas. O pepperoni é descendente dos salames apimentados italianos, tais como o picante napolitano (salsiccia napoletana piccante), uma salsicha de carne de porco seco picante de Nápoles.

O pepperoni é muito usado como cobertura em pizza de estilo americano. É a cobertura mais popular das pizzas na América do Norte, presente ao menos em 36% de todas as pizzas.

A palavra pepperoni deriva de peperoni, o plural italiano de peperone. No entanto, em italiano, peperone designa o pimentão, enquanto que para designar pepperoni se usa salame ou salamino piccante. A pizza de pepperoni requisitada na Itália é frequentemente uma surpresa não bem vinda para turistas! Na Itália, a equivalente a pizza de pepperoni é designada como pizza alla diavola.

A primeira utilização da palavra pepperoni para descrever esse produto data de 1919. Dependendo das variedades, o pepperoni pode apresentar diferentes tamanhos tanto no comprimento quanto no diâmetro. Normalmente, são fabricados em dois tamanhos padrão; de uma polegada (mais ou menos) para o uso fatiado, para pizzas, e duas ou três polegadas de diâmetro, para confecção de sanduiches. É um produto que pode ser facilmente encontrado em todas as lojas de delicatessen dos Estados Unidos, inteiro, fatiado ou picado!

Para evitar que o pepperoni solte muita gordura durante o cozimento da pizza, é aconselhado pré cozê-lo em forno microondas durante cerca de 30 segundos e colocar em papel absorvente; o excesso de gordura será retido pelo papel absorvente.

Conforme as normas nacionais brasileiras, entende-se por pepperoni o produto cárneo industrializado, elaborado de carnes suínas ou de carnes suínas e bovinas, toucinho, adicionado de ingredientes, com granulometria média entre 3 e 6 mm, embutido em envoltórios naturais ou artificiais, apimentado, curado, fermentado, maturado, dessecado por tempo indicado pelo processo de fabricação, defumado ou não.

Porque o pepperoni é tão vermelho? Como já mencionado, o pepperoni é normalmente feito a partir de uma mistura de carne de porco e bovina. A carne de peru é comumente usada como substituto, mas, nesse caso, nos Estados Unidos, essa substituição deve ser claramente indicada no rótulo do produto. Nas ilhas do Caribe e outras partes do mundo, burro e carne de cavalo são ingredientes comuns. O nitrito de sódio (ou, por vezes, salitre), é usado como fixador de cor e conservante, protegendo o produto contra o botulismo e outras formas de deterioração microbiológica. O nitrito de sódio, quando puro, é um pó cristalino branco e reage com o heme (ou hemo) na mioglobina da carne, dando ao pepperoni sua cor avermelhada. O uso de páprica, colorau e pimenta de caiena também contribui para a sua cor avermelhada.

Presunto - Diversidade de tipos e sabores

O presunto foi por muito tempo um prato dos reis ou reservado para ocasiões especiais. Altamente considerado no Império Romano, estava nas mesas dos imperadores.

O presunto é a coxa inteira de um animal a ser preparada crua (depois da salga, secagem e, por vezes, defumação) ou cozida (assado, grelhado, estufado ou como o presunto mais comum, cozido). Na maioria das vezes, usa-se o porco nessa preparação, mas existe também presunto de javalis, de ursos ou até mesmo de renas. Comercializado inteiro ou fatiado, o presunto é uma das principais especialidades dos deli e suas preparações alimentícias e até gastronômicas são muitas e variadas.

Na Europa, muitas regiões têm as suas próprias tradições para preparar o presunto. Os pesos variam e os sabores são distintos. Os mais conhecidos, na Itália, são o presunto de Parma (porcos obrigatoriamente do Norte da Itália e que receberem lacto soro de parmesão) e de San Daniele. Na Alemanha, os presuntos de Mogúncia (Mainz), de Vestfália e da Floresta Negra. Quem também não conhece os famosos jamón serrano e jamón ibérico, da Espanha. Na Inglaterra, existe o famoso presunto de York , na Bélgica o jambon d?Ardennes e, na França, vários tipos regionais (de Bayonne, de l'Ardèche, de Vendée, etc., etc.). A quase totalidade dos presuntos acima mencionados são presuntos crus.

As quantidades de sal adicionado (salga) e os tempos de salga são variáveis, dependem e seguem as tradições locais. A secagem irá trazer o toque final e a qualidade característica do presunto cru: no mínimo 18 a 24 meses para os jamones serranos, 14 meses, no mínimo, mas muitas vezes muito mais, para o presunto de Parma.

Todos esses presuntos crus são de alto valor unitário. Devem ser fatiados de forma extremamente fina, caso contrário, ficam de difícil mastigação. Nas pizzarias, podem ser as vezes encontradas pizzas de presunto de Parma, pizza de mussarela e presunto de Parma, pizza de Parma com rúcula, etc. Geralmente, são pizzas com presunto tipo Parma, uma versão nacional com preço bem mais acessível.

O presunto mais conhecido e usado na pizza Portuguesa - uma invenção brasileira! - e em dezenas de outras, não é um presunto cru, mas sim, um presunto cozido. Na França ele é, tradicionalmente, conhecido como jambon de Paris. Novamente aqui existe uma certa variedade, dependendo da matéria-prima utilizada, se ela for congelado ou não, do uso ou não de polifosfatos, etc. Não é como no Brasil, tudo igual!

O presunto é um presunto desossado, colocado em forma e cozido. Um presunto de qualidade superior é produzido a partir de pernas frescas não congeladas, sem adição de polifosfatos.

Os presuntos artesanais e certos presuntos industriais se distinguem pela presença de polifosfatos. Após o amassamento do presunto na salmoura (mistura de água e sal) de modo a fazer penetrá-la na carne, os presuntos são cozidos. Cozinhar o presunto vai derreter as gorduras e dar-lhe o seu sabor. De acordo com um chefe açougueiro, especialista em presuntos e similares, colocar aditivos, tais como polifosfatos, permite reter toda a salmoura no interior da carne durante o seu cozimento. O resultado é claro, poder vender um presunto de peso maior!

Felizmente, na Europa, esse não é o caso de todos os fabricantes. Alguns artesãos e pequenos produtores se esforçam para usar os métodos tradicionais e aceitar que um presunto tenha um desempenho inferior; um presunto cozido, sem a adição de polifosfatos, pode perder mais de 30% do seu peso original depois de cozido. É claro que isso terá repercussão direta no preço de venda do produto, bem como, obviamente, na sua qualidade e sabor.

Para se obter um bom presunto, de qualidade, vários fatores entram em conta; o primeiro e mais óbvio é a seleção de um belo presunto fresco e a origem do animal. Quanto mais o porco é maduro (5 a 6 meses), mais seu presunto será belo e encorpado. Quanto maior o presunto, mais saboroso ele será. Quanto mais a carne for recheada de pequenos filamentos de gordura, mais o presunto será tenro e saboroso. O nível do pH da carne influencia fortemente o sabor e a textura do presunto após seu cozimento.

BOX: FUNÇÃO DOS FOSFATOS NOS ALIMENTOS

Os compostos de fosfato sa?o constituintes naturais de quase todos os alimentos, sendo impossi?vel o consumo de qualquer tipo de alimento sem que esses compostos estejam presentes.

Os fosfatos te?m por func?a?o aumentar a capacidade de retenc?a?o da a?gua e proteger contra a rancidez oxidativa, o que se traduz por melhoria na qualidade do produto final, garantindo uma sensi?vel melhora no sabor. Possuem, ainda, capacidade de sequuestrar i?ons de metais polivalentes, como o Fe+3, importante catalisador das reac?o?es de rancidez, e i?ons ca?lcio, presentes nas ligac?o?es corpo-casca do camara?o, facilitando as operac?o?es de descasque pelo enfraquecimento de tais ligac?o?es.

Na fabricac?a?o de carnes curadas, os fosfatos e polifosfatos te?m por finalidade ba?sica contribuir para manter a estabilidade desses alimentos. Atribui-se tambe?m aos fosfatos ac?o?es coagulantes e gelatinizantes sobre as protei?nas e dispersantes, e emulsionantes sobre as gorduras, ale?m de seu efeito sequestrante ao reagirem com os metais polivalentes, inativando-os e, com isso, impedindo-os de participar da oxidac?a?o das gorduras, que causa rancificac?a?o, e tambe?m como nutrientes no metabolismo microbiano. Estudos realizados com crusta?ceos, peixes e aves te?m demonstrado que os polifosfatos e alguns sais inorga?nicos aumentam a hidratac?a?o da carne, com consequente melhora na textura desta. Os fosfatos permitidos para uso em carnes incluem: fosfato monosso?dico, fosfato monopota?ssico, fosfato disso?dico, fosfato dipota?ssico, pirofosfato a?cido de so?dio, pirofosfato tetrasso?dico, piro- fosfato tetrapota?ssico, hexametafosfato de so?dio e suas misturas.

A capacidade de retenção de água é altamente valorizada uma vez que aumento o peso do produto acabado e, consequentemente, seu preço de venda por quilo!

Linguiça calabresa - Um produto genuinamente brasileiro

A calabresa é um produto nacional, genuinamente brasileiro, e parece ter sido criada sob influência de imigrantes italianos; embora não haja similar na Itália, essa linguiça é muito apreciada como cobertura para pizzas.

Tem o nome da pimenta usada em sua composição, uma pimenta do gênero capsicum que, na sua forma desidratada, em flocos com sementes, recebe o nome de pimenta calabresa. De início, continha muita pimenta, mas com o tempo o teor diminuiu. Feita com carne e gordura suínas, moídas ou picadas, recebe também sal, especiarias e conservantes. A mistura é embutida em

tripas ou envoltórios comestíveis.

Um tratamento térmico faz com que as curadas percam água e fiquem mais compactas. Antes da comercialização, podem ser defumadas. Todos os tipos conferem sabor e aroma especiais a muitos pratos. As curadas tornam mais apetitosas quaisquer receitas com feijões, ervilhas e lentilhas e fazem ótimas sopas, coberturas para pizza e cozidos com outras carnes. A fresca, quando frita e acebolada, compõe um irresistível aperitivo para acompanhar cerveja e chopp.

Esmigalhada, rende molhos para massas e recheios de tortas e fritadas. Inteira, não pode faltar

no churrasco.

No Brasil, a Instrução Normativa N.º 4/2000, do Ministério da Agricultura, definiu a classificação em algumas variedades de linguiça, dentre as quais as calabresa.

Entende-se por linguiça o produto cárneo industrializado, obtido de carnes de animais de açougue, adicionados ou não de tecidos adiposos, ingredientes, embutido em envoltório natural ou artificial, e submetido ao processo tecnológico adequado.

A classificação dos diversos tipos de linguiças é variável, de acordo com a tecnologia de fabricação; assim, pode se tratar de um produto fresco, de um produto seco, curado e/ou maturado, de um produto cozido e... outros.

A linguiça calabresa é o produto obtido exclusivamente de carne suína, curado, adicionado de ingredientes, devendo ter o sabor picante característico da pimenta calabresa, submetida ou não ao processo de estufagem ou similar para desidratação e/ou cozimento, sendo o processo de defumação opcional.

Nas linguiças denominadas tipo calabresa, tipo portuguesa e paio, que são submetidas ao processo de cozimento, é permitido a utilização de até 20% de CMS - Carne Mecanicamente Separada -, desde que seja declarado no rótulo de forma clara ao consumidor a expressão

?carne mecanicamente separada de...? (espécie animal), além da obrigatoriedade de constar na relação de ingredientes a expressão ?contém...? ou ?com CMS (espécie animal)?. A CMS utilizada poderá ser substituída por carne de diferentes espécies de animais de açougue, até o limite máximo de 20%.

Lombo canadense - Menor índice de gordura

O lombo canadense é definido como o produto obtido a partir do corte de suínos denominado de lombo, em peça íntegra ou parcial, adicionado de ingredientes, embutido em envoltórios naturais e/ou artificiais e submetido ao processo tecnológico adequado, defumado ou não.

É considerado a mais nobre carne do porco e se caracteriza por conter menos gordura do que os outros frios.

Consumido no Brasil basicamente sobre discos de massa cobertos com mussarela, sob o nome de ?pizza de lombo canadense?, é conhecido no Canadá como Back bacon e nos Estados Unidos como Canadian Bacon.

Quando defumado, tem a vantagem de manter o mesmo gosto com muito menos gordura. O seu processo de fabricação no Brasil foi sendo modificado para atender melhor ao paladar dos brasileiros. Hoje, o seu sabor está próximo ao do presunto cozido. Essa, porém, é a única semelhança entre esses dois frios, já que o lombo canadense é feito a partir do lombo do porco, enquanto o presunto é feito de partes específicas da perna, coxa ou garupa do porco.

Para melhorar a qualidade do lombo defumado, é importante manter uma fina camada de gordura que cobre uma de suas superfícies, o que lhe dá sabor agradável e um bonito aspecto após a defumação.

Conhecida desde o antigo Egito, a defumação é um processo fundamentado no efeito conservante da fumaça mais o calor. Além disso, desenvolve sabor e aparência nos produtos, sendo um dos processos mais antigos de conservação dos alimentos. Hoje, com vários meios modernos de conservação dos alimentos, a defumação é mais usada para conferir cor e sabor às carnes do que para conservar.

O que confere ao alimento a característica de produto defumado são os componentes da fumaça. A mais indicada para o processo é aquela produzida pela combustão incompleta da madeira e, por isso, deve ser seca, dura, de alta densidade, descascada e não resinosa. Sendo assim, a cor e o sabor do produto defumado estão diretamente ligados ao tipo de madeira ou serragem que se usa durante a defumação.

Para deixar o lombo defumado ainda mais suculento, podem ser utilizados como ingredientes sal, alho, pimenta malagueta, pimenta-do-reino, noz moscada e colorau. No caso de uma produção industrial em maior escala, pode-se adicionar sal de cura e antioxidante.

De excelente sabor, o lombo canadense atende aos padrões gastronômicos de inúmeros pratos requintados e, como já mencionado, é o principal ingrediente da pizza que leva seu nome, ou seja, a pizza de lombo canadense, composta por molho, mussarela, tomate, parmesão, orégano e, logicamente, lombo canadense.

Peito de peru - Propriedades nutricionais benéficas à saúde

Muito apreciado em pizzas e tradicional no cardápio light de muitas pizzarias, o peito de peru é um produto cárneo feito a partir dos músculos do peito de peru, desossado e sem pele, ao qual são adicionados condimentos, especiarias e aditivos.

A designação de peito de peru inclui tanto os cortes de carne cozidos como os frios produzidos a partir de sua carne.

O peito de peru é considerado um alimento saudável. Sua carne possui teor de gordura muito baixo, com apenas 1 grama de gordura por grama de carne. É também conhecido por seu alto teor de proteína e por ser uma boa fonte de niacina, vitamina B6 e selênio, nutrientes que ajudam na produção de energia. O selênio também é conhecido por seu poder antioxidante e por ajudar a aumentar a imunidade. A carne de peru também contém potássio, fósforo, zinco e ferro. Dois outros importantes nutrientes encontrados na carne de peru incluem o triptofano e a serotonina, que ajuda no aumento da imunidade.

Cada 100 gramas de peru contém 160 calorias, sendo que 72 dessas calorias estão contidos na gordura. Uma porção de carne de peru também contém vitamina B6, B12, niacina, riboflavina e ácido pantotênico, além dos minerais ferro, zinco, potássio, fósforo e selênio, que também estão presentes nesse tipo de carne.

Por possuir vários nutrientes, a carne de peru é benéfica para a saúde de várias maneiras.

Muitos especialistas recomendam seu consumo para quem faz musculação, especialmente os hambúrgueres de peru, que são ricos em proteínas e contêm uma pequena quantidade de carboidratos e gordura. Um hambúrguer de peru apresenta cerca de 200 a 250 calorias e 30 gramas de proteína, que ajuda a construir e manter a massa muscular magra. Isso ajuda a cumprir as necessidades diárias de calorias e proteínas para os atleta ou praticantes.

Alguns especialistas em saúde também recomendam a carne de peru para os diabéticos, pois ajuda no controle dos níveis de açúcar no sangue.

A quantidade de colesterol na carne de peru depende da escuridão da carne. O peito de peru, que é carne branca, contém um menor nível de colesterol, em comparação com a carne escura. Portanto, a recomendação é evitar a carne de peru escura para quem tem colesterol elevado.

A carne de peru também é indicada para insônia. O triptofano, que é encontrado na carne de peru, é utilizado pelo cérebro para produzir serotonina. A serotonina é um neurotransmissor que transmite uma sensação de bem-estar, o que é benéfico para aqueles que sofrem de insônia. O selênio, outro nutriente encontrado na carne de peru, promove o sono e aumenta a imunidade. As vitaminas B3 e B6, presentes na carne de peru, também ajudam a controlar a insônia.

A carne de peru é, ainda, frequentemente indicada para perda de peso, pois é rica em proteínas. A proteína retarda a digestão, provocando a sensação de saciedade por muito tempo após a refeição. A recomendação é optar pela carne branca do peru, que apresenta baixo nível de calorias. O peito de peru sem pele também é uma boa opção.

Como já mencionado, as opções são muitas e variadas e cada uma delas possui a particularidade. Faça sua escolha e bom apetite!




Galeria de Imagens:



Downloads:



Telefone:

+55 11 5524-6931

Fique conectado:

Curta nossa Fanpage:
facebook.com/Revista-Pizzas-Massas

© EDITORA INSUMOS LTDA.

Av. Sargento Geraldo Santana,
567 – 1º andar
CEP 04674-225
São Paulo, SP - Brasil

001
script>